Um poema em cada gaio

“(…) Pra gente aqui sê poeta
E fazê rima compreta,
Não precisa professô;
Basta vê no mês de maio,
Um poema em cada gaio
E um verso em cada fulô (…)”

Antônio Gonçalves da Silva* (mais conhecido por Patativa do Assaré) in “Cante lá, que eu canto cá” (1978)

Gaio-comum (Garrulus glandarius). Quinta das Conchas

Continue reading