A Rola que ri

A rola-do-Senegal (Streptopelia senegalensis) – encontra-a no Guia de Aves da FAPAS – já foi avistada em Portugal (duas vezes até 2009), mas provavelmente tratavam-se de animais domésticos que fugiram (ou foram libertados) do cativeiro. Assim, pertence à Categoria D, ou seja, espécies cuja observação foi confirmada pelo Comité Português de Raridades, mas duvida-se da sua origem “selvagem”.

laughing dove 1

Continue reading

Balanço de 2013 – Ratos atirados de helicóptero matam cobras

No final da Segunda Guerra Mundial, a invasão acidental da ilha de Guam pela cobra-castanha-das-árvores (Boiga irregularis) resultou no desaparecimento de 10 das 12 espécies indígenas de aves e de várias espécies de mamíferos e de répteis.

Cobra-castanha-das-árvores (Boiga irregularis). Foto: Soulgany 101

Continue reading

Evolução, invasoras e a publicação anteriormente conhecida por “jornal de referência”

aqui falei da relação difícil entre o jornalismo e a natureza. Essa dificuldade estende-se a outras secções dos media e tende a agravar-se à medida que cada vez mais bons jornalistas são despedidos, e depois substituídos por estagiários não remunerados, que ficam apenas três meses nas redacções. As duas “gafes” seguintes ocorreram no jornal Público – supostamente o diário nacional de referência –, uma no final de Junho e outra em meados deste mês.

Chorão-das-praias, Ericeira

Continue reading

Peixe-dragão-leão – Tanzânia (selos)

Pterois volitansTanzânia. 1967. Moeda : xelim tanzaniano

Nativo dos oceanos Pacífico e Índico, o exuberante peixe-dragão-leão (Pterois volitans) foi introduzido nas águas da Flórida no início dos anos 90. De então para cá tornou-se uma ameaça ao delicado ecossistema tropical do Mar das Caraíbas. Sem predadores – mesmo que outros animais o reconhecessem como presa não ousariam enfrentar os enormes espinhos venenosos – a sua densidade populacional aumentou, diminuindo a das espécies de que se alimenta.

Continue reading

Periquitão-de-cabeça-azul

A Arca inaugura hoje a categoria “Exóticas”. “Uma espécie Exótica ou Não Indígena é a que ocorre num território que não corresponde à sua área de distribuição natural”, explica o site do Instituto para a Conservação da Natureza (ICN – com mais F ou menos B). E acrescenta: “A introdução de espécies não indígenas é considerada uma das principais causas de perda de biodiversidade”.

Periquitão-de-cabeça-azul. Quinta das Conchas

Continue reading