Terraços do Carmo: paisagem geométrica

O incêndio que devorou o Chiado, em Lisboa, já tem uns aninhos: foi em 1988. Este mês a inauguração dos Terraços do Carmo assinalou o fim da intervenção idealizada pelo arquitecto Siza Vieira. Resultado? Os detalhes geométricos do projecto são, sem dúvida, visualmente apelativos, como nesta primeira imagem, em que a R. do Carmo surge como um terceiro patamar, ainda que desenhado a ‘preto’, e não a ‘verde’.

lisboa carmo 1

Continue reading

Convento dos Capuchos: entre o despojo e a Natureza

“De todos os meus reinos, há dois lugares que muito estimo, o Escorial por tão rico e o Convento de Santa Cruz por tão pobre”.

Filipe I de Portugal

Fundado em 1560, o Convento de Santa Cruz, em Sintra, ficou popularmente conhecido como Convento dos Capuchos devido à indumentária – a capucha (lembra-se do capuz-de-frade?) – usada pelos frades franciscanos que o habitavam.

convento dos capuchos 1

Continue reading

Palácio de Queluz: seres de pedra, lendas e jardins

Vale bem a pena (re)visitar o Palácio de Queluz, Sintra, embora esta talvez não seja a melhor altura para o fazer, já que os tapumes das obras escondem o edifício principal. Ainda assim, há muito para ver, tanto no interior como nos vastos jardins geométricos que abundam no exterior.

palacio de queluz 1

Continue reading

Os Fortes abandonados da Trafaria (Almada)

Todos os anos largos milhares de banhistas rumam à Costa da Caparica, em Almada. A maioria já terá visto a enorme arriba que se eleva a algumas centenas de metros das praias, mas poucos saberão que, lá no alto, ali para os lados da Trafaria, ela esconde três fortes que asseguravam a defesa de Lisboa. Actualmente estão votados ao abandono.

fortes trafaria 1

Continue reading

Bem-vindos a Chinatown

A Chinatown de Perth, Austrália, ocupa três ou quatro ruas paralelas do bairro de Northbridge. Não é uma chinatown típica de filme de Hollywood: as ruas são amplas, não é uma área residencial, a arquitectura da grande maioria dos estabelecimentos comerciais é ocidental – quase se diluem entre as lojas, cafés e restaurantes australianos -, apenas reconhecíveis pelos letreiros em caracteres chineses, aqui e ali bordados a néon ou acompanhadas por estátuas de budas e dragões.

chinatown perth 1

Continue reading

Avieiros: história e preservação da memória

O saveiro era um dos barcos que tinha de entrar no livro “Barcos – Mar de Imagens e Palavras”. (re)Descobri-o quando escrevi uma reportagem sobre os avieiros do Tejo. Em baixo encontra o texto integral, que foi publicado em 2009 na revista Gingko. Desta vez ilustram-no fotografias que tirei na aldeia da Palhota.

palhota 0

Continue reading