Oferecer flores que não são flores

O que se segue serve como uma espécie de sugestão para prendas, livros e filmes.

Ontem (10 de Dezembro) à tarde, a SIC exibiu um filme que se vê com bastante agrado (principalmente a versão “gravada”, que permite saltar os intervalos com mais de 10 minutos…). Intitula-se A Idade de Adaline e, a dada altura, o rapaz do filme (Michiel Huisman) tenta pela segunda vez oferecer flores à rapariga do filme (Blake Lively). A primeira tentativa foi com um ramo de flores verdadeiras, a segunda foi com primeiras edições de três livros: Daisy Miller, de Henry James, Dandelion Wine, de Ray Bradbury, e White Oleander, de Janet Fitch. Ou seja, margaridas, dentes-de-leão e loendros. O filme conta ainda com o Harrison Ford.

Nunca li algo do Ray Bradbury e do Henry James apenas li a A Fera na Selva. Não recordo muito deste último, mas recomendo Autor, autor, do David Lodge, que é uma espécie de biografia do Henry James. O livro é um pouco diferente dos outros livros do autor, mas é muito bom e a tradução é excelente.

Não li White Oleander, mas vi o filme, várias vezes (provavelmente todo este post é apenas um pretexto para pôr uma foto da Michelle Pfeiffer na Arca). O loendro é aquela planta que, por exemplo, se vê nas divisórias das auto-estradas. Também aparece em muitos parques e jardins (as flores brancas ou rosa são, de facto, apelativas), mas convém ter algum cuidado pois é uma planta venenosa. O título do filme em português é A Flor do Mal. Michelle Pfeiffer tem aqui um dos seus desempenhos mais interessantes. Sobre ela, peço desculpa, sobre a sua personagem, a filha diz: She was the most beautiful woman I’d ever seen.  Everybody thinks that when they’re small… but she was the most beautiful woman most people had ever seen.

Related posts / Posts relacionados: